Anuncios
Mais um encontro dia 1 de Dezembro 2011 em Tomar
Radio
Découvrez la playlist Techno Parade 2009 avec Sander Kleinenberg
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Galeria



"O Meu Namoro de Rapaz " postado na net pelo Joaquim Paula de Matos

Ir em baixo

"O Meu Namoro de Rapaz " postado na net pelo Joaquim Paula de Matos

Mensagem  Admin em 2009-06-29, 21:33

O Meu Namoro de Rapaz



Ver o comportamento dos jovens nas noites de 6ª fª constitui a forma mais
chocante e violenta de me sentir velho, fora do tempo que passa, ou ainda
numa terra estranha onde devo ter aterrado de pára-quedas no dia anterior
e na qual não me reconheço.

Normalmente, a tendência das pessoas que chegam à fase da velhice,
não percebo porque esta palavra mete medo a tanta gente e a trocaram
por essa coisa da 3ª idade ou, pior ainda, por sénior, é o de recordarem
os tempos de namoro da sua juventude como tendo sido os melhores deste
mundo e eu compreendo isso muito bem porque sou da idade deles e as
pessoas da mesma geração, naturalmente, entendem-se melhor.

Mas do que, normalmente, eles não se dão contam é que esses elogios
não têm a ver com os “tempos” mas antes com a sua juventude,
ela é que era boa, tão boa que até as coisas más de quando fomos jovens,
agora nos parecem boas.

Realmente, a juventude potencia a vida, os obstáculos não passam de
desafios e as dores, sejam elas quais forem, esquecem-se e ultrapassam-se
muito rapidamente porque, para isso, lá está a primavera da vida com as
campainhas a tocarem por todo o lado chamando-nos ao dia seguinte que espera por nós…

Mas aquilo que nos foi feito pelos nossos pais e educadores,
na década de cinquenta, que coincidiu com a minha juventude,
foi uma grande maldade só perdoável porque os meus avós,
com eles, ainda fizeram pior.

A separação forçada a que os jovens de sexo diferente estavam sujeitos
constituiu um atentado e uma violação não só aos direitos da minha
juventude mas, ainda mais grave, à minha própria natureza humana e todos
os jovens da minha geração, em maior ou menor grau,
foram vítimas dessa autentica crueldade.

Quando estudava no Colégio Nuno Álvares, em Tomar,
bem poderia desejar ver, a caminho da Igreja para a Missa Dominical,
nem que fosse ao longe, as minhas colegas do Feminino,
também elas internas do Colégio num outro edifício, mas em vão,
porque não só as Missas eram a horas diferentes como
os percursos eram igualmente diferentes.

Contactos de proximidade só com as mulheres da vida que nos
esperavam nas casas, ditas de “meninas”, algumas delas passajando
roupa de vestir, quem sabe, as calças de algum filho que talvez
tivesse a nossa idade ou até mesmo mais velho.

Essas insípidas experiências de sexo feito com uma mulher que tinha idade
para ser nossa mãe constituíam atentados efectuados por nós próprios à
nossa sensibilidade de jovens e eram sempre de muito má recordação.

Eram relações muito desiguais: de um lado, a mulher profissional, experiente,
madura, por vezes maternal, do outro, a inexperiência, a juventude ainda feita
meninice com um pouco de vergonha à mistura…e para quê?

O que um jovem necessita para o seu desenvolvimento saudável é o de se
envolver num namoro com uma rapariga da sua simpatia e com ela sair,
conviver e expressar-lhe os seus sentimentos na sequencia de um processo que,
sabemos hoje, começa a desenvolver-se aos oito anos de idade e envolve circuitos
de neurónios, hormonas e muitos outros químicos à mistura.

Mas nessa altura eu não sabia nada, de resto, ninguém sabia nada,
para além de que quase todas essas coisas eram pecado e a
castidade é que era boa e fazia bem à saúde para além de agradar ao Nosso Senhor.

O meu colega José Augusto, que jogava futebol na equipa do Colégio
e por isso era conhecido das meninas do Feminino que eram autorizadas
a assistir aos jogos num sector das bancadas que lhes era reservado,
devidamente acompanhadas e vigiadas, ficou interessado na irmã do Peixoto,
talvez por cumplicidade com o irmão que era seu amigo, ou por um qualquer olhar
mais penetrante da bancada para o campo ou do campo para a bancada, não se sabe…
as setas do Cupido têm percursos caprichosos.

Fui então escolhido para redigir a carta do Pedido de Namoro o que aceitei
com um grande regozijo interior mas com aparente indiferença exterior sem que,
no entanto, me tivesse feito demasiado caro não fosse ele desistir do pedido.

Com todas aquelas barreiras e obstáculos que existiam entre rapazes e raparigas,
eu nem de vista conhecia a irmã do Peixoto mas, desde quando,
um jovem romântico de dezasseis ou dezassete anos precisa de conhecer
uma rapariga para lhe escrever uma carta de amor?

Não faço nenhuma ideia se o José Augusto veio a casar com a irmã do Peixoto,
se tiveram muitos meninos e hoje um rancho de netos mas, se tal não aconteceu,
não foi por causa da carta que depois de ter conseguido chegar ao destino com a
cumplicidade de outras pessoas, foi lida pela destinatária que lhe respondeu
na volta do mensageiro com os olhos ainda cheios de lágrimas de amor e paixão,
conforme as suas próprias palavras.

Não está certo, não é justo, não foram os lindos olhos dele, foi a minha carta,
foram as minhas palavras que desencadearam nela os sentimentos de amor e paixão…
mas foi ele que ficou com a namorada e isto foi uma espécie de batotice.

Fosse a vida o JOGO da GLÓRIA e a pedra que me representa como jogador
voltaria para trás, à casa de o NAMORO, e recomeçar-se-ia novamente a lançar os dados.

Há, dizem vocês, mas se assim fosse serias o último a chegar à META e eu respondo,
quero lá saber, muito mais importante do que chegar primeiro à META é ficar na casa
do NAMORO porque a volúpia de uma paixão aos dezassete anos de idade dá muito
mais prazer do que cortar a porcaria da META e não duvidem de mim porque
sei do que falo… nunca tive essa paixão e sempre suspirei por ela!

A vida é, em grande parte, um jogo, apenas as regras são diferentes
consoante os locais e a época em que se vive e os factos descritos
não os teria vivido se não estivéssemos então nos anos pouco gloriosos de 1954/55,
completamente dominados por uma mentalidade de sacristia, bolorenta e doentia,
que então predominava na nossa sociedade.

A separação contra natura dos sexos acontece nas sociedades machistas
e favorece escandalosamente os homens que, a propósito dessa separação,
reservam para as mulheres as tarefas discretas do lar e da família ficando
eles com os privilégios dos trabalhos mais nobres.

Pouco mais de quarenta anos depois e, entre nós, toda a situação se alterou,
rapazes e raparigas convivem lado a lado desde os bancos da escola até ao
último grau da vida académica, vestem as mesmas fardas e participam nas mesmas guerras.

Hoje, são elas que dominam em todos os lugares da Administração Pública
com excepção, ainda, dos pontos chaves do Poder Político e isto porque
são mais trabalhadoras e perseverantes na linha de uma tradição evolutiva
da nossa espécie em que o segredo do sucesso talvez
tenha estado mais nelas do que em nós.

posted by Joaquim Paula de Matos at 3:12 PM
avatar
Admin
Admin
Admin


Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum