Anuncios
Mais um encontro dia 1 de Dezembro 2011 em Tomar
Radio
Découvrez la playlist Techno Parade 2009 avec Sander Kleinenberg
Buscar
 
 

Resultados por:
 


Rechercher Busca avançada

Galeria



"O Professor de moral " por Fernanda Leitão

Ir em baixo

"O Professor de moral " por Fernanda Leitão

Mensagem  Admin em 2009-06-29, 21:57

O PROFESSOR DE MORAL

CARTA DO CANADÁ

por Fernanda Leitão

Quando frequentei o Colégio de Nun´Álvares, em Tomar, que por inteiro cabe na sigla CNA a rimar com o grito de guerra do F – R – A, FRA, com que sucessivas gerações atiraram capas negras ao ar em momentos de exaltado júbilo, quando por ali desfiei a adolescência e parte da juventude, há tantos anos, o respeito era uma norma de vida que nos era transmitida em casa desde a primeira dentição. Respeitávamos as convenções, os preceitos, os símbolos, as tradições, os professores, os mais velhos em geral. Verdade seja que eles se davam ao respeito, não se vulgarizavam num nacional-porreirismo que, segundo tudo indica, não deu bons frutos à Nação. Talvez por isso mesmo a minha geração amou o que respeitou e, salvo casos pontuais comprovativos de que não há grande geração sem santo ou ladrão, soube dar a cara pelos princípios em que foi criada. Nem todos os que deram a cara tiveram a pouca sorte de o fazer em palco, com as gambiarras todas em cima, mas todos, mesmo no maior silêncio e modéstia, foram de antes quebrar que torcer. Por isso é que Portugal ainda não foi de vez ao fundo, como afincadamente alguns têm diligenciado.

Nesse tempo feliz tínhamos tudo sem ter dinheiro nem droga nem boîtes: família, segurança, alegria de viver, esperança no futuro, amizades tecidas desde tenra idade (que haviam de durar pela vida fora). Tínhamos professores que eram pessoas de bem e por isso ganhavam o seu pão honradamente, mesmo quando eram muito chatos ou tinham mau feitio. E uma cidade linda que nos serviu de moldura e de sonho.

Também tínhamos professores de Moral e de Religião. Lembro-me perfeitamente de três desses professores: o Cónego Adelino Gonçalves, missionário em Angola, velhinho e venerando, que nos contava a Bíblia com muita paciência (ah, a paciência que era precisa para uma turma de raparigas uma mais atravessada do que a outra). O padre Jerónimo, jovial capelão da Força Aérea, cozinheiro de mão cheia, desempoeirado e moderno, a quem muitos anos depois fui dar um abraço a Newark, nos Estados Unidos (e de caminho, bons tomarenses, tomámos um pequeno almoço copioso e gostoso, a que nem faltou o mimo de um naco de queijo da Serra a que o meu antigo professor renunciou em meu favor, prova grande de amizade, prova de arromba porque ele era guloso). E por fim, o padre João Ferreira, que depois de ser pároco em Tomar foi assistente nacional dos Escuteiros e capelão nacional da Força Aérea, onde atingiu o posto de coronel em missões várias em África. Era um homem cheio de vitalidade, de alegria, todo cheio de ideias avançadas quanto à educação dos jovens, muito culto, muito lido, muito viajado. Nós revíamo-nos nele e morríamos por ele. Tanto que, na primeira grande confraternização de antigos alunos do CNA, que teve lugar em Lisboa em 1977 ou 78, já não me lembro bem, o fomos chamar para celebrar missa em S. João de Deus, em Lisboa. Como estava feliz o nosso antigo professor de Moral e Religião!

Mas em 1975, em pleno Verão Quente, o padre João Ferreira entrou-me pela redacção do Templário dentro, a pedir desculpa de me interromper o trabalho louco que eu então tinha para me contar uma historieta: “Sabes, dizia ele com os olhos muito fitos nos meus, no tempo da Guerra Civil de Espanha um homem foi confessar-se a um colega meu e perguntou se era pecado dar porrada nos comunistas. E o meu colega respondeu-lhe: despues, solamente despues”. Chegado aqui estacou em silêncio, sem despregar os olhos de mim, e súbito atirou a pergunta: “Tu percebeste, oh cachopa?”. Respondi com toda a serenidade e lisura: “Percebi sim, senhor padre. Despues, se Deus quiser, ainda hei-de ter tempo de pedir perdão por alguma porrada injusta ou mal dada”. Deu-me um grande abraço e, homem de aviões, voou para a vida dele.

Viríamos a encontrar-nos várias vezes, nos anos seguintes, em jantares muito conversados em casa do general António da Silva Cardoso, tomarense também ele, antigo aluno do CNA também ele, a quem coube a amargura de ser Alto Comissário em Angola, em 1975, completamente driblado por Rosa Coutinho, o “almirante vermelho”, e outros dessa pandilha traidora. Jantares onde, posso dizê-lo agora, se juntavam finos e honrados oficiais dos três ramos das Forças Armadas.

Já eu estava no exílio quando um dia me apareceu em Toronto o já Cónego João Ferreira, convidado que foi por um seu subordinado na Força Aérea, o hoje Monsenhor Eduardo Resendes, um dos meus bons amigos longe da Pátria que deixa nestas terras duas igrejas mandadas constuír para serviço de portugueses, a de São Salvador do Mundo e a de Cristo Rei, ambas em Mississauga. Quis passar todo um dia comigo e conversámos os farrapos da manta. Muito preocupado estava o meu velho professor com dois casos escandalosos de padres tresnoitados que tínhamos por cá, dois infelizes sem remissão. Por um jornal de Tomar recebo a notícia a morte de Monsenhor João Ferreira. Acabou os seus dias velhinho. Sinto-me triste por já não o encontrar quando for a Portugal, mas a emigração é isto mesmo: quando voltamos, há casas vazias e sepulturas cheias. Mas sinto a certeza reconfortante de saber que o meu velho professor de Moral e de Religião está à direita de Deus, à espera dos rapazes e das raparigas que ele ajudou a crescer na Fé.
avatar
Admin
Admin
Admin


Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum